É possível ter filhos sem deixar os sonhos para trás?

Resolvi escrever hoje sobre a Síndrome do ninho vazio, e outras coisinhas mais, acerca da maternidade.

Para quem nunca ouviu falar sobre a Síndrome do ninho vazio, eu vou explicar: Trata-se de um processo natural da vida. Ela geralmente ocorre naquele período em que o filho cresce e deixa a família para ir viver sua vida. Sai em busca de mais autonomia, se torna independente, decide morar sozinho, se casa, ou vai cursar uma universidade.

Esse período costuma ser difícil para a família, especialmente para as mães.

Nessa fase, o estado emocional das mamães costuma ficar alterado, com a sensação de vazio e solidão, em alguns casos, pode chegar até mesmo ao nível de depressão. É um momento, onde toda a rotina de convivência da casa é modificada, podendo causar crises entre os membros familiares envolvidos.

Essa é uma etapa que todas nós que temos filhos, vamos inevitavelmente, ter que passar.

Mas então, será que não tem como evitar?

Como evitar, eu diria que não, mas tem como prevenir.

Tudo dependerá de como cada uma, irá absorver esse período de transição.

A meu ver, o grande segredo para que se passe por essa fase com mais tranquilidade, é começar a trabalhar desde cedo, as questões que envolvem a maternidade.

Como assim?

Bem, vamos lá, voltemos ao início de tudo.

A começar pela alteração dos hormônios na gravidez, passando pelas alterações de humor, o corpo se transformando. O bebê nasce e tudo se transforma, nossa vida profissional precisa ser adaptada, nossas finanças são revistas, as prioridades mudam. Uma enxurrada de sentimentos ambíguos misturados. Redefinimos nossos papeis e tentamos encontrar um equilíbrio entre liberdade e responsabilidade, onde a responsabilidade prevalece na maioria das vezes. E aos poucos a liberdade vai perdendo suas forças. Vamos deixando de lado muitas coisas que tínhamos como objetivo para dar prioridade a tudo que se refere aos filhos.

Quem é mãe sabe que ter um filho causa uma verdadeira revolução psicológica, que mudamos nossa relação com quase tudo e todos, desde a noção da nossa própria identidade, até as relações com nossos amigos, parentes e até com o parceiro.

Acredito que isso tudo, de certa forma, é natural que aconteça, faz parte do processo.

Hoje, vejo claramente o peso e a importância, dos cuidados e da dedicação dos pais ou do responsável pelas crianças. O quanto essa atenção faz a diferença e irão interferir nas suas vidas na fase adulta.

Portanto, todo cuidado é necessário, válido e extremamente importante.

Poder estar presente na vida deles, acompanhando o desenvolvimento, vendo-os crescer, é muito gratificante!

Filhos são maravilhosos, com certeza o momento de dar à luz foi o momento mais incrível da minha vida. A experiência mais linda, mais intensa que eu já experimentei!

Tenho dois filhos, um menino de 9 e uma menina de 4 anos. Por eles faço o possível e o impossível. Sei que essa frase é bem clichê, mas a gente faz mesmo tudo o que pode pela felicidade deles, não é mesmo?

Mas, agora eu te pergunto: E pela sua felicidade, o que você está fazendo?

Vamos relembrar algumas coisinhas.

Antes se ser mãe, existia a mulher, com sonhos, objetivos, desejos, metas, curiosidades, enfim, uma série de características que formavam sua personalidade. Pois bem! O fato de se tornar mãe, não obrigatoriamente, deve mudar o seu comportamento! Não deve interferir na sua vida pessoal. Sim, é preciso ter uma vida pessoal, não é porque você se tornou mamãe que tudo precisa girar em torno dos filhos.

É claro, que quando eles são bebês, requerem toda a atenção e cuidados necessários, porém, com o passar do tempo as coisas vão se ajeitando.

Embora eles mereçam toda a nossa atenção, é de extrema importância que você também tenha o seu espaço, um tempo para si mesma, para se cuidar, estudar, fazer um curso, malhar, sair com as amigas, namorar, se divertir, enfim, fazer alguma coisa que te agrade, que te faça sentir-se bem.

Não estruture sua vida apenas em torno dos filhos, tenha a sua autonomia e dê autonomia a eles também. Tão importante quanto o carinho, os cuidados e a atenção que você tem para com eles, é a autonomia, pois eles precisam sentir que são capazes e livres.

“Os filhos, não podem ser o eixo de sua gratificação emocional”.

Você é capaz de fazer mil e uma coisas ao mesmo tempo! Nós, mulheres, temos essa facilidade, podemos ser mães excepcionais, profissionais bem-sucedidas, independentes, autônomas, lindas e sexy, tudo ao mesmo tempo. Dá um trabalhinho eu sei, mas a gente dá conta.

O que você não pode jamais, é deixar de ser quem é, perder a sua identidade, esquecer de si mesma e se colocar em segundo plano.

Reserve um espaço de tempo durante seu dia, para cuidar de si mesma. Organizando a agenda da família e dividindo as tarefas, todos terão suas obrigações definidas, respeitando o espaço de cada um, e ainda sobrando tempo para que todos tenham seu momento de individualidade. Isso será um bom começo.

Uma frase da Ester Perel que eu li um dia desses, diz o seguinte: “Plantamos nos no chão para que nossos filhos possam voar. ”

A maternidade nos faz mudar nosso comportamento, ficamos mais firmes, procuramos estabilidade, rotina, proteção. Tentando estabelecer o máximo de segurança possível e vamos deixando para trás o espírito aventureiro, livre, explorador, a espontaneidade, o desejo de correr perigo.

Mas, e o que fazer com esses sentimentos que antes eram legítimos? Abafar dentro de nós? Deixar guardado para quem sabe um dia, talvez.

Será que é preciso renunciar tão radicalmente de uma coisa em nome de outra?

Eu, particularmente, não sou muito fã de ficar esperando pelo amanhã, gosto mais do hoje. Hoje eu sei que posso fazer algo por mim mesma, o amanhã é nada mais que um desconhecido.

Acredito que podemos ter essa liberdade, essa leveza da adolescência, o espirito jovem, e ainda a responsabilidades de pai e mãe, uma coisa não anula a outra. Fico doida quando ouço algumas amigas, com a mesma idade que eu, me dizendo: “Ah, não! Estou velha demais para isso.” Como se depois do casamento e dos filhos todo o resto tivesse acabado.

É possível encontrar um equilíbrio, basta querer.

E quando o assunto é relacionamento íntimo?

Muitas mulheres se queixam da falta de desejo sexual quando se tornam mães. Muitas se dedicam em tempo integral aos seus filhos e não lhes sobram forças para mais nada.

Guarde um pouco da sua energia, para se dar o direito de uma boa noite de amor com o seu parceiro. Sei que às vezes é exaustivo, depois de um dia inteiro de atribuições, a única coisa que pensamos é dormir. Mas, acredite esse sono a menos que você “perderá”, será bem recompensado pelos benefícios que uma boa noite de sexo pode te trazer.

Então, se esse for o seu caso, procure criar uma atmosfera em que o desejo possa se desenvolver. Não ache que a excitação vai surgir naturalmente por toda a sua vida, nem sempre o desejo virá espontaneamente. É preciso criar caminhos, como uma espécie de janela para o desejo poder entrar.

Vou te dar uma dica, que será nosso segredinho de mamãe:

Nem sempre temos com quem deixar os filhos para sair sozinhas com o mozão, né? Mas, para tudo se dá um jeito nessa vida.

Lembra do dia do brinquedo na escola das crianças? Que tal estipular um dia da semana, para vocês brincarem também?

Crie o hábito de pelo menos nesse dia estarem juntos, somente você e seu parceiro, em casa mesmo.

Depois que as crianças dormirem, tranque a porta do quarto de vocês e coloque como regra: se permitir, soltar a imaginação, usar algo novo…. Pode ser uma lingerie nova, uma fantasia, uma posição diferente, um produto erótico, ou quem sabe, um brinquedinho de adulto, como um vibrador por exemplo.

O que acha da ideia? Procure fazer algo que seja prazeroso para vocês dois.

Se você estiver feliz consigo mesma e com seu parceiro, estará fazendo um favor para si, para o companheiro e para os seus filhos, ou você tem dúvida que eles querem ver a mãe feliz e realizada?

Continue sendo essa mãe maravilhosa que é, mas, não deixe para traz todos os outros adjetivos que lhe são merecidos.

Assim, na hora que os filhotes baterem as asas e voar, você terá a sensação de missão cumprida. Estando ocupada com outras atividades e de bem com você mesma, poderá dedicar-se a novos projetos, começar uma nova etapa, essa será uma grande oportunidade de busca por novas experiências.

A maior lição que você pode passar para eles, é de que todos têm o direito de viver seus sonhos, com alegria, indo sempre ao encontro da felicidade, não é mesmo?